domingo, 12 de setembro de 2010

O Tempo Não Espera Por Nós.

          |Não sei como é a vida, o dia de hoje, o próximo minuto, o instante que se segue|        




Por vezes perde-se a capacidade de sorrir para a vida porque as palavras ferem, porque os olhares se perdem. Mas a vida tem sempre dois sentidos como todas as coisas, o lado bom e o lado mau, as virtudes e os defeitos, o bem e o mal. E há que aproveitar cada segundo sem a preocupação de qualificar cada acto ou palavra, sem perder tempo com pormenores, aproveitar cada sorriso, cada palavra de coragem, cada gesto de amor e de amizade. Porque a vida não são gavetas onde se separa as roupas usadas frequentemente e as mais formais. A vida é um só baú onde se guarda tudo, mas só se usa aquilo que se quer e que se encontra. Mesmo que demore muito tempo a chegar ao fundo e encontrar o que procuramos.
Corre. Sorri. Chora. Luta. Abraça o tempo. Vive!

Cada vez que deixares o medo entrar-te nas tuas veias, ele vai gelar-te o sangue e paralisar-te os nervos, ficas transformada numa estátua de sal e morres por dentro. A vida é uma incógnita, hoje estás aqui, amanhã podes ficar doente, ou cair-te um piano em cima quando fores a andar na rua. Ainda há pessoas que atiram pianos pela janela, sabias? Mas não fiques quieta, à espera que a vida te traga respostas. a vida é tua, tens de ser tu a vivê-la, não podes deixar que ela passe por ti, tu é que passas por ela.



Seja bom ou seja mau o teu "filme", não puxes a fita para trás sem um bom motivo.
Enquanto olhamos para trás, não vê-mos o que está à frente.
Quem está de frente, desvia-se de quem olha para trás... e assim agarrados ao passado desconhecemos as novidades que a vida traz.






-Estou à tua espera num sítio onde as palavras já não magoam, não ferem, não sobram nem faltam.
Esse sítio existe!-na curva de um rio,num recanto quente.

2 comentários:

  1. "Cada vez que deixares o medo entrar-te nas tuas veias, ele vai gelar-te o sangue e paralisar-te os nervos, ficas transformada numa estátua de sal e morres por dentro."

    Infelizmente senti muito isso no último ano! O medo sufocou-me durante muito tempo. Felizmente consegui superar tudo :)

    Tal como dizes no teu post, devemos seguir em frente e viver! O passado é lembrado mas não deve ser vivido.

    ResponderEliminar
  2. Concordaria com tudo o que disseste - e de que forma tão bonita! -, excepto com o facto de não devermos guardar um fato formal para uma ocasião especial. Se, por um lado, vivermos todos os dias de forma tão intensa como se fossem sempre o último, faz-nos não a desperdiçar, por outro lado habitua-nos a essa excentricidade diária e faz com que, ao fim de algum tempo, achemos que um dia realmente intenso seja apenas mais um dia intenso. Percebes o que te quero dizer? Acabamos por desvalorizá-lo...

    ResponderEliminar

Be my guest! (^,^)