quarta-feira, 25 de maio de 2011

 São muitas as vezes em que Tenho que me perder para me encontrar...
Take Me Home Tonight.


 (...)




Uma vida, vida para ser vivida, para ser sofrida, vida que eu não consigo contar.
Contar o quê?
              A vida não se repete, a vida é sempre uma prova,
            tudo em torno se renova, cada qual têm o seu viver. 
            Viver é uma caminhada que se constrói a cada hora
Onde está a minha vida que eu não consigo encontrar?
 Está no ontem?!
 Está no hoje!?
Em que lugar estará?
Onde estará a minha vida e em que lugar escondida, até quando eu própria não saberei?
Foram as incertezas que se encarregaram de mim... [Admito] Um pouco de tempo e repouso, tenho a cabeça sobre um turbilhão de assuntos, das coisas que andam cá dentro.

Chegou a hora em que preciso de abandonar estas roupas usadas que já têm forma do meu corpo
Esquecer os caminhos que nos levam sempre aos mesmos lugares.
É o Tempo da Travessia: Se não ousarmos fazê-la,teremos ficado (para sempre), á margem de nós mesmos.





Les temps sont durs pour les rêveurs (Le fabuleux destin d'Amélie Poulain)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Be my guest! (^,^)